Receba no seu e-mail

Voltar

Clipping

26/02/2018 às 19:38

26,3 milhões sem emprego. Mídia abafa!

Escrito por: Altamiro Borges
Fonte: Blog do Miro

Na sexta-feira (23), o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) divulgou “a taxa composta de subutilização da força de trabalho” no quarto trimestre de 2017. Em termos mais simples, menos herméticos e tecnocráticos, o órgão anunciou o número total de desempregados no período. Os dados são assustadores. A sua Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (Pnad) revelou que 26,3 milhões de trabalhadores encontravam-se sem emprego – na rua da amargura. O índice de desocupação no acumulado do ano foi de 23,8%. Ou seja, faltou trabalho, em média, para 26,5 milhões de pessoas em 2017. 
 
Apesar da gravidade das informações, a pesquisa não virou capa nos jornalões e revistonas e nem foi destaque nos noticiários das emissoras de rádio e televisão. A mídia chapa-branca, corrompida com milhões em publicidade oficial, segue no esforço para ludibriar os “midiotas” com a miragem de que a crise econômica já foi superada e de que o Brasil caminha para o paraíso. Como já ensinou um ex-ministro de FHC, “o que é ruim a gente esconde”. Ao invés de abordar criticamente a grave crise do desemprego, a imprensa venal prefere fazer alarde com os dados sobre a alta das bolsas e do dólar, criando um falso clima de otimismo com os rumos da economia no governo do “vampirão” Michel Temer. 
 
A política econômica destrutiva adotada pelo covil golpista – e defendida pela mídia chapa-branca – joga na miséria milhões de trabalhadores, mas serve à cloaca empresarial que orquestrou e financiou a ruptura democrática no país. Na quarta-feira (21), o Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) divulgou um estudo revelando que a crise dos últimos três anos fez a renda dos ricaços crescer 2% acima da inflação. Enquanto os “super-ricos” – que ganham acima de 160 salários mínimos por mês – usufruem dos efeitos da crise, a renda média dos contribuintes como um todo caiu em 3,3% no mesmo período. Na prática, a cavalgada golpista – que aprofundou a crise econômica – serviu para aumentar a já abissal concentração de renda no Brasil.