Receba no seu e-mail

Voltar

Clipping

19/11/2010 às 12:14

38% dos brasileiros querem comprar PCs em 2011. Mercado deve crescer 26%

Escrito por: Tiago Falqueiro
Fonte: Correio Braziliense

Intel apresenta números otimistas para o mercado brasileiro de computadores, que superam as expectativas de mercado. O DF se destaca no consumo, com grande penetração e maior porcentagem de uso individual

Campos do Jordão (SP) – Enquanto institutos de pesquisa econômica falam em 15% de crescimento do mercado brasileiro de computadores, que foi de 11 milhões de unidades em 2009, a Intel, maior fabricante mundial de processadores, avalia que o aumento deva ser de 26%. Entre os fatores que levariam ao salto maior, estão o boom do crédito, as pessoas trocando mais rápido seus PCs e a crescente individualiação do uso da máquina.

E o Distrito Federal se destaca neste último ponto. Com 55% de penetração do computador nos lares dos brasilienses, o índice de individualização chega a 35,6%, o mais alto do país, seguido do Rio de Janeiro (25,9%) e de Minas Gerais (25,7%). “O brasileiro é líder em navegação em redes sociais e o computador começa a rivalizar com a televisão na atenção das pessoas. As pessoas não querem mais dividir o computador”, destaca Cássio Tietê, diretor de marketing da Intel Brasil.

Em um estudo feito pela empresa em 12 países sobre a tendência do consumo de PCs, 38% dos 2,5 mil brasileiros ouvidos declaram a intenção de comprar um computador no próximo ano. Para a companhia, nem o crescimento do interesse por outros gadgets, como smartphones e tablets, deve atrapalhar o desempenho de venda de desktops e notebooks.

“Novas plataformas funcionam de forma complementar, e não substituta, do PC. O computador é a principal ferramenta para o acesso a informação e entretenimento digital na vida do brasileiro”, conclui Cássio. Segundo números apresentados pela empresa, o custo das máquinas baixou em relação à renda do brasileiro. Enquanto, em 2000, o PC custava 21 semanas de salário ao trabalhador, hoje, não passa de sete.