Receba no seu e-mail

Voltar

Clipping

28/09/2015 às 14:16

73% das mulheres do planeta sofreram ou sofrem alguma violência online

Escrito por: Rafael Bucco
Fonte: Tele.síntese

Dado faz parte de relatório da ONU. Organização cobra atitudes dos países-membros para reverter o cenário e dar mais segurança a mulheres e meninas que utilizam a rede

A Comissão para a Banda Larga da Organização das Nações Unidas (ONU) divulgou nesta sexta-feira, 25, relatório que aponta 73% das mulheres com acesso à internet como vítimas de alguma violência online. O levantamento descobriu que as mulheres entre 18 e 24 anos de idades são os alvos mais comuns de perseguição, assédio sexual e ameaças de violências físicas ou morte. Estima que, apenas na Europa, 9 milhões de mulheres sofreram ou sofrem alguma violência na internet, desde os 15 anos de idade. O documento não traz dados sobre o Brasil.
 
Os dados mostram, ainda, que 1 em cada  cinco mulheres vivem em países onde a punição por abuso sexual é rara, o que faz com que muitas delas desistam de denunciar os criminosos por medo das repercussões sociais. O mesmo percentual diz acreditar que a internet não é um ambiente propício para elas. Pelos dados da comissão, as mulheres têm 27 vezes mais chance de sofrer alguma violência online que homens e 61% dos assediadores são do sexo masculino.
 
“A violência online subverteu a premissa original e positiva da internet como espaço livre e, em muitas circunstâncias, transformou a rede em um ambiente frio, onde se permite a crueldade anônima e até facilita atos danosos dirigidos a mulheres e meninas”, ressalta Phumzile Mlambo-Ngcuka, secretária-geral da ONU Mulheres, braço da organização dedicado à igualdade de gênero.
 
Como medidas para lidar com a questão, a comissão sugere três medidas: sensibilização, a partir de treinamentos e campanhas educativas para mudar comportamentos e atitudes sociais; salvaguardas, como a implantação de uma infraestrutura técnica para solucionar questões; e sanções, com o desenvolvimento de leis, regulações e mecanismos de governança para punir os criminosos.