Receba no seu e-mail

Voltar

Clipping

18/06/2008 às 12:45

Abril acusa Globo de bloquear conteúdo nacional na TV paga

Escrito por: Gazeta Mercantil | Gustavo Viana
Fonte: Sulrádio

A operadora de TV por assinatura Sky retirou o sinal da MTV Brasil, pertencente ao Grupo Abril, de sua lista de canais.

São Paulo, 17 de Junho de 2008 - A operadora de TV por assinatura Sky retirou o sinal da MTV Brasil, pertencente ao Grupo Abril, de sua lista de canais. A operadora, que possui 1,7 milhão de assinantes no País, informa que, para renovar o contrato, a MTV queria dobrar o preço do canal e ainda incluir mais dois canais: Fiz e Ideal. A operadora diz que esse reajuste do contrato acabaria por onerar os seus assinantes. O sinal continua aberto somente na Grande São Paulo, onde o canal está disponível em rede aberta.

O contrato entre as partes venceu em dezembro do ano passado, e desde então as empresas vinham negociando um novo acordo. André Mantovani, diretor geral dos canais do grupo Abril, diz que o pedido de reajuste se deve à melhora da programação da MTV e do aumento da audiência do canal, que , segundo ele, cresceu 35% em maio deste ano em comparação com o mesmo mês do ano passado.

Mantovani, que foi presidente da MTV de 1998 até março de 2007, diz que existe na TV paga um bloqueio à entrada de conteúdo brasileiro. Ele cita o caso do Grupo Bandeirantes, que não conseguiu emplacar na TV paga os canais BandNews e BandSports. Segundo ele, esse bloqueio é feito pelo sócio dos dois maiores grupos do País (Net e Sky), a Globo. Net e Sky tem 78% do mercado nacional de TV paga.

O executivo informa que em maio deste ano a MTV fez uma proposta de reajuste de 20% no preço do canal, mas esse aumento seria compensado com anúncios na MTV. Para os canais Ideal e Fiz, a proposta foi de que 100% do valor pago pela operadora fosse compensado nos primeiros 18 meses em forma de anúncios nas revistas da Abril. E por 90 dias os dois canais seriam de graça.

A Net Brasil, empresa do Grupo Globo que representa a Sky e a Net no País para a compra de conteúdo nacional, não aceitou a proposta e disse que aplicaria somente um reajuste de acordo com o IGPM. Controlada pelo Directv Group, que detém aproximadamente 74% de participação, e pela Globo Comunicações e Participações (Globo), com cerca de 26%, a Sky colocou no lugar da MTV o canal MTV Hits, programado pela Viacom Networks.

Fundada em 1981 nos Estados Unidos e desde 1990 no Brasil, a MTV Brasil - joint venture entre a MTV Networks, subsidiária da Viacom, e o Grupo Abril - é um canal aberto e gratuito. Contudo, no satélite (caso da Sky), a transmissão precisa ser negociada por meio de um contrato entre as partes, pelo qual a MTV vende seu sinal para a operadora.

A Net Brasil também não teria se interessado pelos canais Ideal e Fiz. Mantovani diz que a receptividade dos canais tem sido excelente, e eles contam com anunciantes como Companhia Vale do Rio Doce, Vivo, Uol, Intel, Toyota, Banco Real e Bradesco.

Voltado para o público na faixa etária dos 25 aos 45 anos, o Canal Ideal insere-se no segmento de " business television", segundo definição do jornal inglês Financial Times, nicho televisivo que está se tornando popular na Europa e nos Estados Unidos, com foco em gestão de carreira.

Espécie de YouTube na televisão, o Fiz TV tem sua grade de programação feita 100% com vídeos mandados pelo público ao site da emissora. Os mais votados vão para TV. A programação é 24 horas, sendo que nas sextas, sábados e domingos a programação terá oito horas de material inédito. Os demais dias serão de reprises não-lineares dos programas Fiz.doc, Fiz.humor, Fiz.notícia, Fiz.curta, Fiz.em casa, Fiz.clipe e Fiz.anima.

A MTV, em nota, diz que a decisão da Sky vai contra os interesses de milhares de seus consumidores, da audiência da MTV Brasil e de seus assinantes, que nem foram comunicados sobre a mudança. "O mundo mudou, o Brasil mudou, e a Sky erra ao tratar seus consumidores, fornecedores e a audiência da MTV Brasil como fiéis seguidores do que decide", informa nota da emissora.