Receba no seu e-mail

Voltar

Clipping

29/09/2016 às 16:45

Acesso à Internet amplia fosso entre escolas públicas e privadas

Escrito por: Luís Osvaldo Grossmann
Fonte: Convergência Digital

A inclusão digital das escolas públicas parou no tempo, indica o retrato tirado pelo Cetic.br, o braço de pesquisas do Comitê Gestor da Internet no Brasil. Em praticamente a metade (45%) da rede estadual e municipal de ensino, as conexões a internet não passam de 2 Mbps. Nas escolas privadas, 47% começam em 5 Mbps e uma em cada quatro têm conexões acima de 10 Mbps. 
 
“Estamos falando de uma faixa de idade que já está se preparando para o mercado de trabalho e aí perpetuar desigualdades é ainda mais complicado. A gente tem que investir em que as oportunidades das tecnologias não sejam só para alguns”, diz o coordenador da TIC Educação, Fabio Senne. 
 
Há indicadores positivos, e talvez o mais significativo seja o sucesso da universalização do acesso – 93% das escolas públicas (100% das privadas) têm conexão à internet. E embora ainda representem uma parcela menor, 8% da rede pública tem conexões de 9 Mbps ou mais. 
 
As baixas velocidades, porém, parecem ter relação direta com o uso efetivo da internet nas escolas. O primeiro efeito é uma concentração das conexões na área administrativa ou em salas de professores. Em apenas 20% há WiFi aberto aos alunos. E de 43% das escolas públicas onde há internet disponível nas salas de aula, apenas 23% usam a rede para algum tipo de atividade. Na rede particular, a disponibilidade é bem maior (72%), assim como o uso (50%). 
 
“A velocidade não é suficiente. Uma proporção muito grande das escolas tem conexão de 2 Mbps que não é razoável para dividir em escolas com médias de 300, 400, 500 alunos. Em uma década de política pública tivemos progressos, mas a infraestrutura ainda é o problema”, avalia o gerente do Cetic.br, Alexandre Barbosa.