Receba no seu e-mail

Voltar

Clipping

08/01/2014 às 10:02

Ações da Nintendo fecham em alta após China permitir venda de videogames

Escrito por: Redação
Fonte: Estadão

SÃO PAULO - A notícia de que a China suspendeu oficialmente a proibição de venda de consoles de videogames no país parece ter animado os investidores, o que levou a ação da Nintendo a uma forte alta na Bolsa de Tóquio nesta quarta-feira.

Contudo, pode ser muito cedo ainda para dizer quais as oportunidades que fabricantes de consoles de videogames como a Nintendo, a Sony e a Microsoft poderão ter na China. Ainda que a proibição tenha sido suspensa, as empresas terão de passar por uma série de negociações e um longo processo burocrático para obter a permissão para vender seus produtos na China. O governo chinês ainda não definiu um cronograma sobre a duração deste processo, e ainda não está claro que tipo de condições e requisitos as empresas estrangeiras terão de cumprir para entrar no mercado chinês.

O anúncio vindo da China forneceu poucas informações além do fato de que a decisão de suspender a proibição de consoles de videogames faz parte de iniciativas para a zona de livre comércio de Xangai. O comunicado acrescentou poucas novidades ao que o Conselho Estatal havia dito em setembro. Naquela época, o conselho afirmou que as empresas estrangeiras que operam com vendas e produção de consoles de videogame dentro da zona de comércio poderiam vender os produtos em toda a China, enquanto se aguarda a aprovação de cada modelo pelo Ministério da Cultura.

Nesta quarta-feira, as ações da Nintendo fecharam em alta de 11%, a 15.850 ienes, em Tóquio, o nível mais alto do papel em dois anos e meio. Analistas de mercado atribuíram os grandes ganhos às esperanças de que haverá mais oportunidades de negócios no mercado de videogames chinês. A Sony, fabricante do Playstation, também se beneficiou da notícia e encerrou o pregão com ganho de 1,39%.

A China é o terceiro maior mercado de videogames do mundo, depois dos EUA e do Japão em termos de receitas, de acordo PriceWaterhouseCoopers.