Receba no seu e-mail

Voltar

Clipping

21/09/2016 às 15:51

Brasil precisa priorizar áreas para 'surfar' na Internet das Coisas

Escrito por: Luís Osvaldo Grossmann
Fonte: Convergência Digital

Um estudo bilateral com a União Europeia aponta quatro ecossistemas que merecem ser alvos prioritários da política pública brasileira para a internet das coisas: smart cities, produtividade industrial, agricultura e transportes devem ser as primeiras apostas do Brasil para inserção nesse novo estágio tecnológicos.
 
“Tem uma janela de oportunidade e a gente tem que se posicionar da melhor maneira para pegar essa onda”, defendeu o coordenador de ações de IoT do CPqD, Flávio Andrade, que dividiu o estudo com o pesquisador português Pedro Maló. 
 
O relatório, ainda em fase de conclusão, inclui dificuldades inerentes ao desenvolvimento das ‘verticais’ apontadas, como apresentado nesta quarta, 21/9, durante a ICT Week, promovida pelo MCTIC e a União Europeia. Por exemplo, a primeira barreira que o Brasil precisa superar no campo das ‘cidades inteligentes’ é conexão. 
 
“Smart cities implica conectividade. Na Europa tem soluções oferecidas, mas no Brasil não é uma premissa verdadeira, pois parece que os serviços M2M das operadoras ainda não são completamente confiáveis”, destacou o pesquisador Pedro Maló. 
 
Como também apontado pelos responsáveis pelo estudo, a internet das coisas está em desenvolvimento e mesmo na União Europeia, onde já existe algum tipo de política pública e investimento direto, em grande medida tratam-se de soluções tecnológicas embrionárias. 
 
Para o secretário de Políticas de Informática do MCTIC, Maximiliano Martinhão, isso também pode ser visto como chance de o Brasil participar ativamente de um ambiente mundial. “É uma oportunidade, inclusive dado o interesse mútuo do lado europeu e brasileiro nessa tecnologia. Temos que compreender que a inernet das coisas não é uma solução nacional, mas faz parte de um ecossistema global”.