Receba no seu e-mail

Voltar

Clipping

31/01/2018 às 21:00

Disputa eleitoral e guerra aberta nas comunicações

Escrito por: Laurindo Leal Filho
Fonte: Carta Maior

Entramos em um novo ano eleitoral com mais dúvidas do que certezas. Os partidos já viraram o ano articulando estratégias eleitorais. É bom saber o que está em jogo

Entramos em um novo ano eleitoral com mais dúvidas do que certezas. Há quem duvide até da possibilidade de termos eleições presidenciais em 2018.
 
E não é para menos. Volta-se a falar em parlamentarismo, rejeitado duas vezes pelo voto em nossa história mas que ressurge como um fantasma capaz de impedir o livre exercício presidencial, no temor de que este venha a ser conduzido por ideias e ações desenvolvimentistas e populares.
 
Outra alternativa, ainda que não impeça a eleição é torná-la não representativa da vontade dos eleitores. Isso decorreria do impedimento, via judiciário, da candidatura Lula, líder consolidado em todas as pesquisas de intenção de voto.
 
Apesar dessas incertezas os partidos já viraram o ano articulando estratégias eleitorais. Entre elas está a formação de coligações não só capazes de aumentar na prática o tamanho dos apoios recebidos por cada partido mas também, e com grande interesse, ampliar o tempo dos programas eleitorais obrigatórios no rádio e na televisão.
 
Apesar do crescimento e da influência cada vez maior da internet, o rádio e principalmente a TV ainda têm um peso quase decisivo nas eleições brasileiras. Exemplo recente é a vitória de Dória no primeiro turno para a Prefeitura de São Paulo, um produto midiático cuidadosamente embalado para atender os anseios dos eleitores, incentivados pela própria mídia, de alguém refratário à política tradicional e com perfil de gestor empresarial. 
 
É bom saber o que está em jogo. A propaganda eleitoral começa no dia 31 de agosto e vai até 4 de outubro, três dias antes do primeiro turno. São dois tipos de propaganda: dois blocos com duração de 12min30s exibidos à tarde (das 13h às 13h12m30s) e à noite (das 20h30 às 20h42m30s), nas terças, quintas e sábados e as inserções, peças de propaganda do tipo “comerciais” de TV, de 30 segundos ou um minuto de duração, veiculadas entre os programas das emissoras das 5h às 24hs, num total de 14 minutos diários. 
 
A luta por esse espaço é feroz. O tempo de cada partido ou coligação de partidos no rádio e na TV é determinado pelo tamanho de cada um deles. Daí a formação de conglomerados partidários muitas vezes não muito homogêneos do ponto de vista programático.
 
Segundo análises realizadas ao final do ano passado, o PMDB e seus aliados do chamado “centrão” teriam 39% do total de tempo de propaganda no rádio e na TV, quase 5 minutos em cada bloco de 12 minutos e 30 segundos. Em seguida, mas com bem menos tempo, viria o PT com 13% (1min35s), o PSDB com 10% (1min18s) e o PDT com 4% (33s), isso se não conseguirem fazer coligação com algum outro partido. 
 
Claro que existem outros fatores a interferir nas decisões de voto, como por exemplo os debates televisados entre os candidatos. Mas eles também reverberam no horário eleitoral obrigatório. A gafe de um candidato ou uma proposta considerada impopular são exploradas ao máximo pelos adversários em seus programas levando, muitas vezes, a reorientação do voto do eleitor.
 
E há ainda a internet com suas redes sociais sendo usadas cada vez mais profissionalmente nas disputas eleitorais. No caso brasileiro ela ainda não se equipara à TV como força de persuasão mas dentro dos seus limites têm mostrado influência. Basta lembrar o candidato derrotado em 2010 para a Presidência da República, José Serra, chamando de “blogueiros sujos” os responsáveis por blogues e sites que veiculavam notícias que não o agradavam durante a campanha eleitoral. 
 
De lá para cá multiplicaram-se as empresas prestadoras de serviços aos partidos e candidatos para manter e alimentar as redes sociais. Ai não há o limite legal de tempo como ocorre com o rádio e a TV, além de permitir o surgimento dos “perfis falsos” atuando a favor ou contra determinados candidatos.
 
Segundo reportagem da BBC Brasil uma dessas agências contratou cerca de 40 pessoas para fazer a manutenção dos perfis falsos. O objetivo é manipular a opinião pública, o que vem sendo feito desde 2012, mas que ganhou dimensão maior a partir da eleição de 2014. 
 
A estratégia é simples. Criam-se personagens na internet com uma série de características que os tornam aparentemente reais. Surgem figuras com rosto e uma história pessoal: de onde é, se é casado, se tem filhos e quais são seus gostos, hobbies e profissão. Dessa forma se manifestam sobre assuntos variados, muitos deles domésticos e triviais, entremeando-os com opiniões políticas e eleitorais, geralmente apoiando um ou outro candidato. 
 
Um tipo de atuação comum, segundo a reportagem, era deixar comentários em sites de notícias e votar em enquetes como as do site do Senado. “Às vezes, dez pessoas ficavam votando em determinada opção durante oito horas por dia”, diz um dos entrevistados pela BBC Brasil que atuou numa dessas assessorias de comunicação. 
 
Cabe ressaltar que a criação de perfis falsos é crime de falsa identidade. A reforma eleitoral proibiu “a veiculação de conteúdos de cunho eleitoral” por meio de “cadastro de usuário de aplicação de internet com a intenção de falsear a identidade”. Vamos torcer para que a lei seja realmente aplicada em 2018. Os perfis falsos se prosperarem contribuirão ainda mais para distorcer a necessária liberdade de escolha do eleitor.