Receba no seu e-mail

Voltar

Clipping

16/09/2014 às 06:04

Festival de Brasília privilegia o cinema de invenção

Escrito por: Redação
Fonte: O Globo Online

Mostra começa hoje com exibição da cópia restaurada de 'Deus e o diabo na terra do sol, de Glauber Rocha

RIO - Aprojeção da cópia restaurada de "Deus e o diabo na terra do sol", grande ícone do Cinema Novo, dá início, hoje, ao 47º Festival de Brasília, em homenagem aos 50 anos de lançamento do longa-metragem de Glauber Rocha. A sessão, que contará com a presença do ator Othon Bastos, protagonista do clássico, serve como adequado aperitivo para uma mostra competitiva que privilegia o filme de invenção, expressa em títulos como "Brasil S/A" (PE), de Marcelo Pedroso, "Ela volta na quinta" (MG), de André Novais Oliveira, e "Branco sai. Preto fica" (DF), de Adirley Queirós.

- O cinquentenário do filme reafirma a atualidade e a potência do cinema visionário do Glauber, que, com seis pessoas na equipe, introduziu o método brechtiano de interpretação e realizou uma obra definitiva que consta das principais listas dos melhores filmes da História do cinema - afirma Sara Rocha, coordenadora adjunta do festival. - Um filme que vai do cordel a Villa-Lobos, passando pelo messianismo, evocando a literatura de José Lins do Rego e Euclides da Cunha, para construir um épico que reflete o drama da condição humana atravessando o tempo e revolucionando a linguagem.

Depois de duas edições seguidas com competições distintas para ficção e documentário, Brasília volta ao formato original, com seis filmes concorrendo entre si, independentemente do gênero. Concorrem também aos troféus Candango o documentário "Sem pena" (SP), de Eugênio Puppo, "Ventos de agosto" (PE), de Gabriel Mascaro, e "Pingo d'água" (PB), de Ticiano Valério. A mostra brasiliense será encerrada no dia 23, com a exibição de "Cabra marcado para morrer" (1984), de Eduardo Coutinho, em tributo ao cineasta, morto em fevereiro.