Receba no seu e-mail

Voltar

Clipping

09/05/2014 às 11:03

Gaúchos que trabalham no Facebook discutem segurança na rede no RS

Escrito por: Redação
Fonte: G1

Gaúcha diz que rede social envia relatório com dados ao governo dos EUA.Palestrantes abordam tema polêmico em evento em Porto Alegre.

A 15ª edição do Fórum Internacional de Software Livre ocorre até o sábado (10) em Porto Alegre, no Centro de Evento da PUCRS. Com o objetivo de discutir a transparência na tecnologia, o tema deste ano é "Segurança e privacidade: o software livre na luta contra a espionagem". Uma dupla de gaúchos que trabalha no Facebook forma o time de palestrantes desta sexta-feira (10) e vai debater o tema.

A gaúcha Fernanda Weiden é gerente de engenharia na rede social, e conta que a empresa precisa mandar periodicamente relatórios para o governo norte-americano. Segundo ela, as informações são autorizadas judicialmente.

"Segurança sempre é uma preocupação. A cada seis meses nós publicamos um relatório sobre as aberturas de dados que o governo americano pede", explicou Fernanda ao G1. De acordo com a engenheira, todas as áreas são fundamentais para que o sistema funcione perfeitamente.

Da mesma forma, o gaúcho Marlon Dutra, de 33 anos, também mora no Vale do Silício, na Califórnia, e ressalta a importância de discutir a segurança de dados na rede. "Todas as empresas, principalmente as que mantém serviços de dados devem ter cuidado. Os erros têm que afetar o mínimo possível os usuários", salientou Dutra.

Natural de Rio Grande, Região Sul do estado, Dutra se mudou em 2012 com a esposa e o filho de dois anos para São Francisco. Ele foi um dos organizadores de edições anteriores do fórum e veio à capital gaúcha especialmente para o evento.

O engenheiro relata que o Facebook tem um time que cuida de segurança na internet e qualquer erro é corrigido em minutos. "Todos os softwares têm falhas. Se alguém disser que existe um software sem falhas, é mentira. O ponto crucial é ser rápido e resolver os problemas que forem identificados", completou.

Além dos gaúchos, participou do evento também o engenheiro da computação Marcel Ribeiro Dantas. Ele é pesquisador em engenharia biomédica no laboratório de inovação tecnológica em saúde, em Natal, Rio Grande do Norte, e especialista sobre o perigo do software livre nos implantes, como o marca-passo. 

O engenheiro cita o exemplo do ex-vice presidente dos Estados Unidos, Dick Cheney, que teve que mudar o código da sua internet sem fio do aparelho para não correr risco de ser vítima de um ataque terrorista. A principal reinvindicação do engenheiro é de que o código dos softwares seja publicado para que erros possam ser identificados. Atualmente, a legislação brasileira não obriga empresas a tornarem público seus códigos.

"Se a gente soubesse como funciona cada software, como o marca-passo, poderíamos identificar os erros. Um estudo aponta que 98% das falhas poderiam ser facilmente resolvidas com métodos simples de testes de software. Se você não sabe como funciona, você não pode achar uma falha", alertou Dantas.

As inscrições para o Fórum podem ser feitas no local. Outras informações podem ser encontradas no site do evento.