Receba no seu e-mail

Voltar

Clipping

02/07/2015 às 14:46

Internet das Coisas: vender ou não vender o meu dado pessoal?

Escrito por: Ana Paula Lobo
Fonte: Convergência Digital

Uma pesquisa feita com dois mil consumidores dos Estados Unidos, pelo Altimeter Group, mostra que a privacidade é um tema bastante sensível

As projeções para a adoção da Internet das Coisas são impressionantes. Em 2020, serão bilhões de objetos conectados desde carros, geladeiras e outros dispositivos. Mas Não pensem que essa evolução só carrega boas impressões. Uma pesquisa feita com dois mil consumidores dos Estados Unidos, pelo Altimeter Group, mostra que a privacidade é um tema bastante sensível. 
 
NO levantamento da consultoria, os consumidores se mostram bastante preocupados com quem está vendo seus dados. O grande ponto é como as empresas têm acessos aos dados pessoais na era da internet das coisas. De acordo com o levantamento, 78% dos consumidores estão altamente preocupados com as empresas que vendem seus dados para terceiros. 
 
Nesse ponto, inclusive, metade dos consumidores entrevistados revelaram extremo desconforto com o uso e a venda de seus dados em ambientes conectados no "mundo real” e 21% responderam que ficariam "extremamente desconfortáveis" com a prática. Isso significa que 71% deles não querem ver seus dados usados de forma aleatória e sem transparência. Um dado importante: essa preocupação passa muito mais pela geração mais madura, do que pela geração Y e Z.
 
A privacidade é relevante, mas há quem se ache no direito de 'ganhar' com os seus dados. Os consumidores deixam transparente que querem algo em troca para que as empresas tenham acesso aos seus dados. Tanto é assim que 57% dos entrevistados permitiriam que empresas tenham acesso às suas informações caso recebam em troca cupons, descontos e sugestões de produtos. Outros 32% relataram que topariam a prática caso recebessem informações que o ajudassem a tomar decisões.
 
“Estamos nos primeiros dias da internet das coisas, mas as marcas podem ver isso como um sinal”, afirma o relatório. Além disso, segundo a pesquisa, “companhias podem usar a tendência como uma forma de se diferenciar no mercado e conquistar a lealdade e a confiança do consumidor”, sugere ainda o trabalho da Altimeter Group.