Receba no seu e-mail

Voltar

Clipping

04/01/2014 às 07:04

Monster High rumo ao cinema

Escrito por: Redação
Fonte: O Globo Online

Depois de girar US$ 1,4 bilhão por ano, franquia de bonecas vai virar filme nas mãos de produtores de 'The O.C.' e 'Gossip girl'

RIO - Há cinco anos, empregados da fábrica de brinquedos Mattel se reuniram na sede da empresa, nos Estados Unidos, e tiveram uma ideia: dar aos monstros do cinema e da literatura uma filharada - um grupo de crianças (em sua maior parte, meninas) que seriam amigas e estudariam num mesmo colégio, o Monster High.

Três anos mais tarde, chegaram às lojas bonecas como a esverdeada Frankie Stein, a dentuça Draculaura e a peluda Clawdeen Wolf, herdeiras de Frankstein, Conde Drácula e Lobisomen, respectivamente. Com um visual moderninho - bem distante do glamour da Barbie e da passividade das princesas da Disney, a nova geração de monstros caiu no gosto da criançada. No Brasil, também.

De lá para cá, proliferaram bonecas, DVDs, roupas, acessórios, mochilas, bicicletas e chinelos. A marca Monster High girou US$ 1,4 bilhão em 2012. Agora, o próximo passo da turma mirim é ganhar as telas. A Universal Pictures já escalou para atuarem como produtores e roteiristas do futuro longa-metragem, que ainda não tem data de estreia, os americanos Josh Schwartz e Stephanie Savage. Os dois ficaram famosos por criarem e produzirem séries de televisão como "The O.C." e "Gossip girl".

- Desde o lançamento, em 2010, a Monster High explodiu em popularidade - destaca Ana Furtado, gerente de marketing de produtos para meninas da Mattel do Brasil. - É uma das cinco maiores marcas da indústria de brinquedos.

Segundo Ana, a Monster High aposta na ideia dos "perfeitamente imperfeitos". Nos quatro DVDs lançados no ano passado, por exemplo, "Os pesadelos de Monster High", "Por que os monstros se apaixonam?", "Scaris, a cidade sem luz" e "13 monster desejos", o enredo gira justamente em torno das diferenças. O objetivo é mostrar como as pessoas (ou monstros) podem se complementar.

- A Monster High incentiva as meninas pré-adolescentes a celebrar suas diferenças e expressar suas individualidades - ressalta Ana, dando a entender que o grupo busca se afastar de bonecas como a Barbie, por exemplo.

Frankie, Draculaura e companhia são personagens fixos e contam suas histórias. Eles não têm "possibilidades infinitas", que podem ser "princesa, presidente, astronauta ou cirurgiã", dependendo do gosto do cliente. E essa deve ser a linha do futuro filme.

Garrett Sander, designer e criador de Monster High, fala sobre outro lado curioso das personagens. Apesar de serem filhos de monstros, terem dentes afiados, garras ou costumes estranhos, não são malvados.

- Eles deixaram para trás o antigo hábito de assustar. Isso era coisa dos pais deles. O pessoal de Monster High tem um estilo próprio, e essa abordagem tem sido parte da história desde o início. A Draculaura, por exemplo, pode ser uma vampira, mas ela é uma vampira vegetariana!

Fora isso, os personagens do futuro filme parecem que não estão nem aí para sapatos de cristal ou vestidos de saia longa. Usam telefones celulares de primeira linha, os chamados iMonsters, e estão conectados à internet. As meninas também têm uma certa preguiça de esperar pelo príncipe encantado. Preferem estar bem vestidas e se divertir em suas próprias festinhas. Para Garrett, o objetivo é refletir o que se vê nas ruas:

- Demos toques modernos e divertidos. A ideia é mesmo agradar as crianças de hoje.