Receba no seu e-mail

Voltar

Clipping

03/02/2014 às 15:05

Morre no RJ o cineasta Eduardo Coutinho

Escrito por: Redação
Fonte: Brasil de Fato

Faleceu na manhã do último domingo (02), aos 80 anos, o cineasta Eduardo Coutinho. Ele e a mulher, que está internada em estado grave, foram esfaqueados em seu apartamento na região da Lagoa, no RJ. O principal suspeito é o filho do casal, Daniel Coutinho, de 41 anos, que sofre esquizofrenia.

O diretor ficou conhecido por documentários como “Cabra marcado para morrer”, que contou a história de João Pedro Teixeira, líder camponês assassinado em 1962 na Paraíba. O filme começou a ser filmado em 1964, mas por conta do golpe militar só foi finalizado 20 anos depois.

“Babilônia 2000” (2000), “Edifício Master” (2002), e “Jogo de Cena” (2007), foram outros trabalhos importantes de Eduardo Coutinho.

A coordenação Nacional do MST soltou uma nota oficial lamentando a morte do cineasta. Segue a íntegra:


O Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra manifesta seu pesar e tristeza pela perda do cineasta Eduardo Coutinho.

Desde sua juventude, Coutinho não se contentou em ser apenas “um cineasta”, sensível aos problemas sociais do nosso país, transpôs os limites da arte com a militância, participando do intenso processo de organização dos CPCs (coletivos populares de cultura)  da UNE e de suas caravanas pelo país. O preço pago pelo militante foi seu exilio e está registrado na obra-prima “Cabra marcado para morrer”, interrompido pelo golpe militar de 1964.

Para nós, dos movimentos camponeses do Brasil, “Cabra Marcado” repesenta um dos poucos documentos históricos de registro da repressão sofrida pelos trabalhadores rurais e as cicatrizes que o autoritarismo e a violência produziram em cada ser humano que ousou lutar por uma sociedade mais justa.

Seu legado como um dos maiores documentaristas do país,  para o cinema brasileiro e para a história do nosso país é indescritível.

Manifestamos nossa solidariedade, carinho e admiração à toda família, amigos e colegas.