Receba no seu e-mail

Voltar

Clipping

21/11/2017 às 21:11

'New York Times' suspende repórter por suspeita de conduta sexual inadequada

Escrito por: Redação
Fonte: Portal Imprensa

A onda de acusações de assédio nos Estados Unidos superou as grandes estrelas e produtores de Hollywood. Nesta segunda-feira (20), o repórter Glenn Thrush, setorista do "New York Times" na Casa Branca teve seu nome envolvido em uma série de acusações em que várias jornalistas alegam que ele teve conduta sexual inadequada com elas. 
 
A reportagem intitulada “NYT White House correspondent Glenn Thrush’s history of bad judgment around young women journalists” divulgada com exclusividade pelo respeitado portal “Vox” fez com que o “New York Times” suspendesse o repórter por tempo indeterminado e abrisse uma sindicância interna para investigar os casos. “A conduta que se atribuiu a Glenn nessa reportagem do 'Vox' é muito preocupante e não coincide com os padrões e valores do 'New York Times'", disse a vice-presidente sênior de comunicação corporativa do jornal, Eileen Murphy.
 
A matéria se baseia em depoimentos de várias mulheres que estavam começando suas carreiras no jornalismo. As experiências de todas elas com Thrush, de 50 anos, sugerem um "padrão de comportamento inadequado", segundo o site.
 
Três mulheres entrevistadas pela jornalista Laura McGann, que também alega ser vítima do profissional do "Times", descrevem condutas que vão desde "toques e beijos não desejáveis até confusos encontros sexuais que ocorreram sob influência do álcool".
 
"Em entrevistas com 40 pessoas de dentro e fora de veículos da imprensa que conhecem Thrush, tive a imagem de um repórter cujo título não está à altura de seu poder e estatura. Pessoas que trabalharam com ele disseram que ele pode colocar o nome de um jornalista na frente de um editor, se ele quiser. Chefes de redações se importam com o que ele pensa", afirmou McGann.
 
O artigo foca ainda, na passagem de Thrush pelo site "Politico", onde ele foi correspondente antes de ser contratado pelo "New York Times". Ele teria criado um "entorno tóxico" de trabalho, segundo o "Vox", fazendo fofocas que algumas das mulheres ouvidas pela reportagem suspeitam ter havido impacto em suas reputações.
 
A reportagem destaca ainda, que ao chegar aos veículos de imprensa onde trabalhavam, algumas estagiárias eram alertadas sobre o comportamento inadequado de Thrush. "Entre as mulheres que começavam em Washington, havia um alerta para que tivessem cuidado se o conhecessem em um evento com álcool ou se ele enviava uma mensagem direta no Twitter", escreve McGann.
 
Em comunicado, o repórter do "New York Times" disse lamentar profundamente ter irritado uma jornalista de 23 anos que rejeitou seus avanços em junho do ano passado. A história com a profissional, citada no artigo, foi considerada por Thrush como uma "experiência transformadora". O jornalista reconheceu ter abusado do álcool nos últimos anos, período no qual disse ter feito coisas das quais se envergonha, e afirmou que planeja começar um tratamento contra o alcoolismo, uma decisão que teve o apoio do "New York Times".