Receba no seu e-mail

Voltar

Clipping

23/01/2018 às 18:54

Nossa Opinião - A batalha digital em 2018

Escrito por: Redação
Fonte: Instituto Telecom

As telecomunicações são a infra-estrutura de toda a economia nacional e mundial. E 2018 trará novas discussões tecnológicas que vão impactar no nosso dia a dia. Entre 9 e 25 de fevereiro as redes 5G serão testadas, durante os Jogos Olímpicos de Inverno na Coréia do Sul. Novas aplicações devem surgir. Quais serão os impactos? Aprofundarão ou reduzirão as desigualdades sociais?
 
Também será acentuado o debate sobre a Internet das Coisas. O relacionamento digital com o usuário trará novas expectativas e interrogações sobre um mundo em que ainda estamos tateando. Mais uma vez perguntamos: qual o impacto social? Positivo ou negativo?
 
O streaming de vídeo impacta o mercado de entretenimento e das relações sociais. O mesmo conteúdo podendo ser visto nas TVs, desktops e smartphones. A concentração no campo dos produtores de conteúdo, como a aquisição da Time Warner pela AT&T e da 21st Century Fox pela Disney, impõe um debate sobre a liberdade de escolha: uma sociedade cada vez mais globalizada, com o conteúdo ainda mais concentrado nas mãos de poucos grupos que dirigem a sociedade com uma perspectiva financeira, individualista e excludente.
 
A regulamentação da neutralidade da rede, que entre outros aspectos impacta nas relações democráticas da sociedade, na forma de escolha e na privacidade, também será tema certo em 2018.
 
E no Brasil?
 
No campo regulatório haverá o aumento da pressão do atual governo e das grandes operadoras (Oi, Vivo, Claro e TIM) para a aprovação do PLC 79 pelo Senado Federal. Em paralelo podem ocorrer mudanças na regulamentação do Fundo de Universalização das Telecomunicações (FUST). Obviamente, se ocorrerem, só beneficiarão os grandes grupos.
 
O caso da Oi está longe de ser resolvido. Preocupa aos trabalhadores e aos usuários dos serviços de telecomunicações. Houve, sim, a aprovação do plano de recuperação judicial pelos credores. Mas, a Pharol e o Fundo Société Mondiale continuam questionando essa decisão. Há de se acompanhar uma possível movimentação que, dependendo de alguns aspectos, poderá levar a Oi aos braços da China Telecom.
 
Estamos num ano eleitoral. O governo golpista criou um programa com título pomposo, Internet para Todos, supostamente destinado a levar a internet para locais onde nenhuma operadora teria interesse econômico. Tudo leva a crer que será um plano maquiagem, para parecer o que não é. Com o apoio da chamada grande mídia podem transformar um blefe num programa de inclusão digital.
 
Assim, temos muito a acompanhar, participar e lutar. O Instituto Telecom se manterá ao lado de todas as entidades que lutam pela redemocratização do país e pela universalização das telecomunicações, principalmente a banda larga como instrumento de inclusão social.
 
Instituto Telecom, terca-feira, 23 de janeiro de 2018