Receba no seu e-mail

Voltar

Clipping

05/12/2013 às 19:40

Novo conselheiro defende lei para mudar bens reversíveis

Escrito por: Redação
Fonte: Convergência Digital

Ao ser sabatinado na Comissão de Infraestrutura do Senado, o novo indicado para a Anatel, Igor Vilas Boas de Freitas, sustentou que a reversibilidade dos bens prevista na telefonia fixa é ruim para a concessão e precisa ser modificada por lei. 

"Não consigo ver como o Estado gerenciará o final do contrato. Haverá demandas judiciais sobre os valores, se a titular (da concessão) não continuar, que ativo ela tem direito, quais ficam com o novo contrato. Prevista para dar continuidade, acho que a reversibilidade fará o contrário", afirmou.

Freitas ate acredita que "a Anatel tem competência" para modificar o tema dos bens reversíveis, mas sustenta ser necessária "intervenção legislativa" para garantir "legitimidade" às alterações. Para o novo conselheiro, "há outros instrumentos que podem ser usados, como a função social da propriedade".

Nesse campo Freitas, que é consultor jurídico do Senado, se alinha ao conselheiro João Rezende, também sabatinado nesta quarta-feira, 4/12. Ele já vem defendendo que diante de dificuldades de entendimento dos bens reversíveis dentro do próprio Conselho da Anatel, uma lei pacificaria o terreno.

Ele acredita, porém, que a discussão legal deve começar logo, apesar de faltar mais de uma década para o encerramento dos contratos de concessão. "Os contratos terminam em 2025. Parece longe, mas é preciso lembrar que já estamos na penúltima revisão contratual", destacou.

Ajuste de conduta

Igor de Freitas também se mostrou favorável a outro tema premente na agência - a celebração de termos de ajustamento de conduta com as operadoras com o objetivo de substituir multas aplicadas por promessas de investimentos nos serviços. Mas ressalvou que não pode ser uma ferramenta corriqueira. 

"O TAC é uma boa resposta aos problemas do usuário, mais adequado que a multa, mas os critérios precisam ser discutidos", avaliou, lembrando que existe um projeto de lei do Senado que traz uma proposta para esses critérios. O tema também já está em pauta no Conselho Diretor da agência.

"Mas o TAC não pode ser visto como uma nova janela de oportunidade para a troca de obrigações", sustentou. Segundo ele, a agência não deveria repetir o que faz em editais de frequência ou anuências para modificações societárias para impor condicionantes às operações móveis.