Receba no seu e-mail

Voltar

Clipping

02/03/2018 às 16:24

O desemprego brutal no país e as sórdidas fake news da Globo

Escrito por: Miguel do Rosário
Fonte: O Cafezinho

O IBGE acaba de divulgar os últimos números do mercado de trabalho, atualizado até janeiro deste ano.
 
Não acreditem nas mentiras da Globo. É um quadro absolutamente dramático, uma prova de que o problema da violência que avança no país não será resolvido jogando dinheiro fora com intervenções militares puramente circenses.
 
O trimestre de novembro até janeiro encerrou com a destruição de quase 600 mil empregos formais em relação ao ano passado.
 
Quase 600 mil!
 
Os empregos gerados são quase todos informais, domésticos ou “por conta própria”, com renda brutalmente inferior àquela dos empregos destruídos (cujo salário médio já era baixo).
 
Para se ter uma ideia, o salário médio mensal do emprego formal com renda própria, hoje, é de R$ 2.096, ao passo que a renda média mensal do emprego sem carteira é de R$ 1.202. Ou seja, quase metade do valor! Sem contar que é um trabalho que não paga imposto, não paga previdência social e gera, para a família, níveis de insegurança muito altos – configurando, na prática, um sub-emprego.
 
O trabalho doméstico, hoje, tem renda de R$ 858! Menos que o salário mínimo. A classe média paneleira deu duro, mas enfim conseguiu seu intento – caso tenha tido a sorte de segurar seu emprego – de voltar a ter a boa e velha empregada doméstica (provavelmente sem assinar a carteira). A quantidade de trabalhadores domésticos cresceu 317 mil nos últimos 12 meses.
 
O desemprego no país só não explodiu de maneira trágica porque, no último ano, mais de 1 milhão de brasileiros ingressaram na categoria de trabalhadores por “conta própria”, cuja renda média também é muito inferior a do trabalhador formal: apenas R$ 1.584.
 
Por fim, quem realmente salvou o mercado de trabalho foi o amaldiçoado setor público, que gerou 317 mil novos postos de trabalho e hoje emprega 11,30 milhões de brasileiros. Ou seja, o vampirão neoliberal conseguiu, com seu cavalo de pau na economia, fazer o setor privado afundar, e converter o Estado em empregador número 1 do país. O salário médio do setor público é o maior entre todos os setores: R$ 3.137, embora a gente saiba que esse valor engane muito, por se tratar de uma média. Na verdade, há juízes e procuradores ganhando rendas estratosféricas e uma imensa maioria de barnabés ganhando menos de três salários mínimos.
 
O governo Temer, cujo único sustentáculo é a Globo e seus tentáculos (não é de graça que o governo federal aumentou as verbas para a Globo em mais de 60%, em 2017), é a maior catástrofe que se abateu sobre nós desde a chegada dos portugueses.
 
Todos os órgãos de financiamento estão estrangulando o crédito e matando o emprego formal, o que, por sua vez, impacta terrivelmente na situação fiscal de municípios, estados e governo federal.
 
O ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, conseguiu mudar o estatuto da Caixa, para que os próximos vice-presidentes e presidentes venham obrigatoriamente do “mercado”. Ou seja, serão indicados por “agências headhunter”, o que significa que a Caixa será dirigida por executivos com salários estratosféricos sem nenhum compromisso com o país. Essa mudança do estatuto se dará porque os vice-presidentes atuais, mesmo sendo indicados pelo vampirão neoliberal, são funcionários de carreira e, como tal, dotados de um mínimo de dignidade e senso de responsabilidade com o banco e com a população. Os executivos que virão, não. Serão, provavelmente, nazistas neoliberais.
 
Estou dizendo isso porque fontes do Cafezinho de dentro da estatal nos disseram que a equipe de Meirelles é complemente insana: a fórmula para “melhorar” as contas da Caixa são sempre cortar financiamento da construção civil, incluindo a casa própria, demitir funcionários em massa, ou seja, aprofundar ainda mais a recessão no país.
 
Observe que o golpe, que continua atingindo duramente a construção civil, que perdeu 281 mil postos de trabalho nos últimos 12 meses, agora se volta contra a agricultura familiar, que perdeu 350 mil empregos em um ano. Com certeza, a redução drástica nos financiamentos (que são todos públicos, sobretudo do  Banco do Brasil), seja por falta de ausência de novos créditos, seja pela invenção de pretextos burocráticos, contribuiu decisivamente para isso. Esses 350 mil novos desempregados das zonas rurais em breve encherão ainda mais as já sobrecarregadas cidades brasileiras.
 
E vocês pensam que a grande imprensa brasileira está preocupada com essas questões? Está fazendo reportagens sobre as pessoas que perdem o emprego?
 
Não, a única preocupação da Globo é disseminar fake news.
 
Na capa do site da Globo, há pouco, constavam esses dois comentários contraditórios e ridículos. Em ambos, o mesmo objetivo: ludibriar o leitor, fazendo-o achar que tem alguma coisa melhorando.
 
Miriam Leitão, para dourar a pílula do quadro dramático do desemprego, diz que “todos os índices melhoram, menos o desemprego”.
 
O raciocínio de Miriam soa como uma piada de humor negro, como um médico que chegasse para o paciente e dissesse: “senhora, a boa notícia é que todos os indicadores de sua saúde melhoraram ou estão estáveis. Seu nível de colesterol ainda é alto, mas ao menos parou de subir. O nível de gordura no corpo caiu 1%. Seu coração parece em boa forma. A má notícia é que a senhora está com câncer terminal no estômago…”
 
Ora, Miriam! O emprego é o indicador estrutural de um país como o Brasil, com 208 milhões de habitantes, a maioria dos quais são muito pobres!
 
Os números do IBGE mostram que há 64,5 milhões de pessoas em idade de trabalhar que estão… fora da força de trabalho!
 
64,5 milhões!
 
Num Estado rico, e onde a classe média e os ricos pagam altos impostos, como os Estados Unidos, Inglaterra, Alemanha, Espanha, Itália, Japão, uma parte desses 64,5 milhões de pessoas estariam recebendo assistência do Estado.
 
Não é o caso do Brasil. Ao contrário!
 
O governo Temer, ao mesmo tempo que aumenta o desemprego, tem promovido um corte brutal nos programas de assistência social!
 
Está aí porque Temer e a Globo querem as forças armadas cuidando da segurança pública em todos os estados! E com licença para matar!
 
Para sustentar um quadro social tão desolador, somente através de uma ditadura militar, que combata ferozmente, a começar pela intimidação com a simples presença do exército, qualquer manifestação do povo!
 
A segunda matéria sobre o tema, ainda no Globo, diz que “há sinais positivos”, destacando o “avanço” da “população ocupada” sem mencionar que essas novas ocupações são empregos informais que pagam a metade do salário que o trabalhador ganhava com carteira assinada!
 
Aí está o resultado da reforma trabalhista!
 
Mesmo na comparação com o trimestre imediatamente anterior, os empregos com carteira assinada caíram.