Receba no seu e-mail

Voltar

Clipping

12/11/2015 às 15:00

Pesquisas revelam que novelas reduzem fertilidade e aumentam divórcios: controle de natalidade?

Escrito por: Wilson Roberto Vieira Ferreira
Fonte: Cinegnose

Muito se tem falado que as telenovelas são “veículos de alienação” ou de criação do “consumismo”, principalmente as da TV Globo. Mas há algo ainda mais profundo: por década elas estariam moldando a percepção dos brasileiros em relação a filhos e casamento, resultando ne expressiva queda da taxa de fertilidade e aumento no número de divórcios. Esse é o resultado de duas pesquisas do Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID) sobre o papel da televisão e das novelas no Brasil nas três últimas décadas. As pesquisas concluem que as telenovelas seriam um importante instrumento para “educar a população em questões sociais”. Será que por “questões sociais” o BID (entre outros bancos internacionais) entende como “controle de natalidade”?
 
As chamadas “soap operas” norte-americanas (ou “novelas” como as denominamos) já nasceram sob o signo da ação política. Quando surgiram no Brasil, as soap operas americanas já eram transmitidas de Miami para Cuba para consolidar o estilo de vida americano na ilha caribenha. Até estourar a revolução de Fidel Castro, derrubando o então ditador pró-EUA.
 
Por isso, é compreensível que a primeira novela brasileira tenha sido O Direito de Nascer, em 1964 na TV Tupi. Uma adaptação do folhetim radiofônico que inundara Cuba nos anos 1940. Naturalmente, uma novela voltada para aqueles no Brasil amedrontados pela revolução naquela ilha do Caribe.
 
Mas a novela não era ainda diária e não havia ainda transmissão em rede que fizesse todo o País parar ao mesmo tempo: a gravação era encaminhada por avião ou carro para outras localidades.
 
A novela Dancin’Days em 1978 da Rede Globo tornou-se a primeiro fenômeno nacional em telenovelas disseminando o modismo da discoteca fazendo o País inteiro ao mesmo tempo consumir ou desejar tudo que dizia respeito à novela: perfumes, roupas, cabelos, música etc. Mais do que isso, Dancin’Days foi a primeira novela marcada pela discussão de valores da classe média e das elites urbanas.
 
Mas as novelas não se limitaram a incentivar o consumismo. Nas décadas que se seguiram também ajudaram as mulheres, principalmente de baixa renda, a mudar a percepção sobre filhos e casamento.  
 
O papel crucial das novelas
 
Dois estudos do Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID) encontraram em localidades alcançadas pelo sinal da TV Globo um sensível aumento da taxa de divórcios e queda na taxa de fertilidade. Desde a década de 1970 a fertilidade no País caiu mais de 60% enquanto os divórcios aumentaram mais de cinco vezes desde a década de 1980. Dentro desse período a presença de aparelhos de TV teve uma elevação de mais de dez vezes. Hoje a televisão está em mais de 80% das residências.
 
A conclusão da pesquisa sugere que as novelas brasileiras “desempenham um papel crucial na circulação de ideias” e que “podem ser uma ferramenta para transmitir mensagens sociais importantes que ajudem, por exemplo, a lutar contra a disseminação da AIDS ou proteção dos direitos de minorias”.
 
A conclusão é cheia de boas intenções. Mas estamos diante de duas pesquisas de ciências sociais aplicadas, financiadas por um banco internacional. Como falam os americanos, “não existe almoço grátis”. 
 
Colocado em perspectiva, a política socioeconômica dos bancos internacionais (BID, FMI, Banco Mundial etc.) é bem clara: a melhor forma de acabar com a pobreza e os problemas ambientais é erradicando populações sob diferentes instrumentos de controle populacional. E as pesquisas financiadas pelo BID parecem ter descoberto um instrumento ideal para países em desenvolvimento “com forte tradição oral”, como o Brasil.
 
Por trás de cada busca de conhecimento há um interesse. Esse poderia ser o interesse estratégico por trás do súbito interesse do BID por novelas brasileiras?
 
Efeitos sociais da expansão da Rede Globo
 
Os economistas Eliana La Ferrara, Alberto Chong e Suzanne Duyea publicaram em 2009 as pesquisas “Novela e Fertilidade: Evidências do Brasil” (clique aqui, em inglês) e “Televisão e Divórcio: Evidências de Novelas Brasileiras” (clique aqui, em inglês).
 
Os dois estudos centram-se na expansão da Rede Globo: nas década de 1990 chegou a 98% dos municípios do país, atingindo 17,9 milhões de residências, em comparação com praticamente zero em meados da década de 1960.
 
O paralelo entre a rápida expansão da Globo nesse período e a mudança acentuada de alguns indicadores sociais brasileiros oferecem um campo fértil para pesquisas. Os estudos realizam série de testes econométricos com resultados estatísticos consistentes. Utilizaram dados demográficos amplos e informações detalhadas sobre a expansão da cobertura dos sinais de televisão e sobre o conteúdo das novelas no Brasil nas três últimas décadas.
 
O primeiro estudo encontrou que as taxas de fertilidade, ou o número de nascidos vivos por mulher em idade reprodutiva, foram significativamente mais baixas em áreas do Brasil alcançadas pelo sinal da rede Globo do que em áreas que não recebiam o sinal.
 
O impacto comportamental foi maior entre mulheres de famílias pobres e mulheres no meio ou no final de seus anos reprodutivos, sugerindo que a televisão influenciou a decisão de parar de ter filhos, e não de quando deveriam começar a ter filhos.
 
Em geral, a probabilidade de uma mulher ter um filho em áreas cobertas pelo sinal da Globo caiu 0,6 ponto percentual a mais do que em áreas sem cobertura. A magnitude do efeito é comparável à de um aumento de 2 anos no nível de escolaridade das mulheres. Não houve impacto nas taxas de fertilidade no ano anterior à entrada do sinal da Globo.
 
Também as pesquisas revelaram impacto relacionado sobre a taxa de divórcios. A porcentagem de mulheres separadas ou divorciadas também é maior em áreas que recebem o sinal da Globo, em particular em pequenas comunidades em que uma alta proporção da população tem acesso às transmissões da emissora. Essas áreas apresentaram um aumento de 0,1 a 0,2 ponto percentual na porcentagem de mulheres de 15 a 49 anos que são divorciadas ou separadas. O aumento pode parecer pequeno mais estatisticamente é significativo.
 
Os estudos analisaram o conteúdo de 115 novelas da emissora no período entre 1965 e 1999 nos dois horários de maior audiência: 19h e 20h. Sessenta e dois por cento das principais personagens femininas não tinham filhos e 21% tinham apenas um filho. Vinte e seis por cento das protagonistas femininas eram infiéis aos seus parceiros.
 
O curioso é que as pesquisas apontam que a expansão do SBT não afetou a taxa de fertilidade. Os estudos atribuem esse resultado a diferenças de conteúdo. As novelas da Globo são escritas por autores brasileiros e produzidas no Brasil, enquanto a maioria das novelas do SBT é importada do México, ou usa enredos importados. Pela representação da sociedade brasileira mais realista, o public se identificaria muito mais com situações apresentadas nas novelas da Globo.
 
Telenovelas e Agenda Global
 
 
Com a criação do Clube de Roma em 1968 (fundado por acadêmicos, cientistas, diplomatas e empresários) surgiu a atual agenda sobre meio ambiente com temas que seriam cruciais para a humanidade como controle populacional, energia, poluição e tecnologia – que culminou com a publicação do relatório "Os Limites do Crescimento".
 
Desde então criou-se uma “ditadura científica” formada por Organização Mundial de Saúde, departamento ambiental da ONU, Fundo de População das Nações Unidas, Fundações como Bill e Melinda Gates, Rockfeller e bancos internacionais que partem do pressuposto da chamada “bomba populacional”: a necessidade de uma aliança global para combater a “pobreza persistente” e os problemas ambientais e de saúde reduzindo a população através de instrumentos de redução da fertilidade.
 
Essa postagem nem vai abordar as diversas teorias conspiratórias sobre a redução populacional por meio de vacinação em massa (inclusive defendida por Bill Gates recentemente sob pretexto de combate a pandemias) ou por meio de contaminação deliberada da água e produtos transgênicos – por exemplo,  denúncias de que a água da Sabesp chega à população do ABC paulista contaminada por metais pesados, mesmo depois de tratada. Entre os males à saúde destacam-se problemas cardíacos e infertilidade – clique aqui.
 
Prato cheio para teorias conspiratórias: recentemente a Sabesp tem firmado contrato de empréstimos com o BID. Em uma das cláusulas padrões dos contratos está a condicional de que o projeto deverá obedecer “políticas sociais e ambientais do Banco”. Essas expressões eufemísticas são sempre preocupantes...
 
Ou ainda o documento “Sociabilidade, Esterilidade e Pobreza” de Mathew H. Bonds, sob orientação do Dr. Jeffrey Sachs (Global Fund to Fight AIDS, Tuberculosis and Malaria e Millenium Promise, instituições com apoio de bancos internacionais) com trechos bem diretos como:
 
" (...) O nascimento de uma criança nas partes mais pobres do mundo não só representa uma nova oportunidade de infecção por uma doença, mas também um aumento na probabilidade de infecção para o resto da população hospedeiro suscetível. Assim, a teoria epidemiológica prevê que uma redução da taxa de natalidade pode reduzir significativamente a prevalência de doenças da infância."
 
"Nós descobrimos que, após a contabilização de um efeito econômico, a redução da fertilidade pode resultar em reduções significativas da doença em um longo prazo comparado com que um modelo SIR (Suscetíveis, Infecciosa, Recuperação) epidemiológico padrão poderia prever, e pode até mesmo ser uma estratégia eficaz para a erradicação de algumas doenças infecciosas. Tal solução orgulharia Malthus", Bonds escreve."
 
(...) O novo modelo, o que leva em conta o efeito econômico  prevê que a redução da fertilidade pode ser significativamente mais eficaz do que uma vacina. Ilustra também que uma política de vacinação sustentada seria mais provável de erradicar uma doença, se feita em conjunto com a diminuição da reprodução."
Tudo isso seriam intervenções muito brutais, como, por exemplo, as tentativas de esterilização em massa de mulheres nordestinas pela ONU em plena ditadura militar nos anos 1970. 
 
Certamente o interesse do BID pelas novelas brasileiras está na busca de instrumentos softs para desarmar a suposta “bomba demográfica”. Bomba socialmente bem seletiva, porque só atingirá pobres e países em desenvolvimento.