Receba no seu e-mail

Voltar

Clipping

15/06/2015 às 14:22

Qualidade da Banda Larga no Brasil ainda está abaixo das metas da Anatel

Escrito por: Rafael Bucco
Fonte: Tele.síntese

Em mais da metade dos estados brasileiros e Distrito Federal houve operadoras e concessionárias que entregaram banda larga com velocidade inferior a da estipulada pela agência

A Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) e a Entidade Aferidora da Qualidade (EAQ), que mede a entrega da banda larga no país, divulgaram dados sobre a qualidade dos serviços de conexão rápida no país de janeiro a março. E o resultado não é bom. Em mais da metade dos estados e Distrito Federal pelo menos uma empresa ofereceu os serviços abaixo das metas estipuladas pela agência.
 
No caso da telefonia móvel, a TIM é a empresa que menos atingiu as metas em todos os meses. A operadora entregou conexões com velocidade instantânea abaixo da meta em nada menos que 16 estados em janeiro, do total de 26, em 12 em fevereiro e em 16, novamente, em março. A velocidade média também ficou abaixo das metas em seis estados em janeiro e fevereiro, e em cinco estados em março.
 
A Oi é a segunda colocada em frustrar as metas. Na telefonia móvel, a empresa entregou velocidade instantânea abaixo do esperado em nove estados em janeiro, dez em fevereiro, e oito em março. Em velocidade média, a entrega ficou abaixo da meta em seis estados nos dois primeiros meses do ano, e em quatro em março.
 
A Vivo vem em seguida, com desempenho aquém das metas em cinco estados em janeiro, em quatro em fevereiro, e em dois em março. A velocidade média não foi atingida em um estado em janeiro e em dois em fevereiro. A Algar Telecom não entregou o mínimo em velocidade instantânea em dois estados em janeiro, em um em fevereiro, e em quatro em março. A velocidade média mensal ficou abaixo do esperado em três estados. A empresa opera telefonia móvel em quatro estados. A Nextel atendeu as metas em todos os meses. A empresa, porém, atua em menos áreas: 12 estados.
 
As metas da Anatel determinam que as empresas devem, entre outras coisas, entregar velocidade instantânea de no mínimo 95% do contratado pelo usuário, e velocidade média mensal de 80% do contratado.
 
Banda Larga Fixa
 
Neste quesito, as provedoras de acesso falharam em menos estados quanto a entrega da velocidade, embora tenha havido problemas de latência, perda de pacotes ou mesmo de disponibilidade em locais onde as metas de velocidade foram respeitadas. A Oi, empresa com maior cobertura de banda larga fixa, foi a que menos atendeu às metas.
 
A concessionária deixou de entregar 95% da velocidade instantânea em 13 estados em janeiro, em 12 em fevereiro, e em 16 em março. A velocidade média ficou aquém do estipulado pela Anatel, de 80% do contratado, em seis, nove e dez estados a cada mês. A unica praça em que a Oi não provê acesso é em São Paulo.
 
A GVT foi a segunda provedora que mais descumpriu as metas. Os usuários não obtiveram a velocidade instantânea contratada em cinco estados em janeiro, em quatro em fevereiro, e e três em março. Em nenhum estado, porém, entregou velocidade média abaixo do exigido pela Anatel. A GVT oferece banda larga em 16 estados.
 
A NET não atendeu o objetivo de velocidade instantânea em dois estados em janeiro e fevereiro, e em quatro em março. A velocidade mensal média não foi atingida em um estado em fevereiro e em um estado em março. Outras provedoras, como Algar e Telefônica Vivo também deixaram de atender as metas instantâneas em pelo menos um estado no período. Os relatórios completos, com a performance exata de cada empresa podem ser vistos nestes links: Janeiro de 2015, Fevereiro de 2015 e Março de 2015.
 
As medições da banda larga fixa são feitas por aparelhos instalados na casa de voluntários inscritos a EAQ, sorteados a cada mês. No caso da banda larga móvel, a entidade seleciona aleatoriamente escolas públicas cobertas por redes celulares, e instala medidores nestas escolas.