Receba no seu e-mail

Voltar

Clipping

18/09/2014 às 15:21

Reddit pode ter problemas com investidores se não frear conteúdo

Escrito por: Tradução: Fernanda Lizardo, edição de Leticia Nunes. Com informações de Mathew Ingram e Sarah Jeong
Fonte: Observatório da Imprensa

Em meio a boatos de que estaria à procura de financiamento, o Reddit enfrenta uma enxurrada de críticas ligadas a sua natureza anárquica e às desvantagens de seu chamado “compromisso com a liberdade de expressão”. O site é uma espécie de “mural” online, onde os usuários podem postar links e dar início a debates.

A polêmica se deu por conta do vazamento de fotos íntimas de celebridades, como as atrizes Jennifer Lawrence e Kirsten Dunst, que movimentou a internet em agosto de 2014. Embora o Reddit não estivesse diretamente ligado ao vazamento, acabou tendo participação efetiva no episódio. Como o site permite que qualquer usuário crie tópicos em seus fóruns de discussão sem a necessidade de pré-aprovação, o espaço foi um prato cheio para que as fotografias se espalhassem mais rapidamente pela rede.

O Reddit acabou tirando o tópico sobre as fotos do ar e seu CEO, Yishan Wong, foi a público se pronunciar sobre a questão. Em um post publicado em seu blog, Wong mostrou-se solidário às celebridades que tiveram suas fotos vazadas; declarou, no entanto, que mesmo diante do episódio seria improvável por parte do Reddit fazer qualquer alteração em sua política de publicação de conteúdo. “Nós nos consideramos não apenas uma empresa que administra um site onde se pode postar links e discuti-los, mas um governo de um novo tipo de comunidade”, resumiu.

A frase causou polêmica e muitos interpretaram a postura do Reddit como altamente permissiva, enxergando que isto poderia abrir precedentes para o site liberar qualquer conteúdo – como pornografia explícita ou comportamento violento. Questionou-se então se o Reddit só reavaliaria sua política caso ocorressem problemas que envolvessem imbróglios judiciais (como violações de direitos autorais ou processos diretos de pessoas físicas ou jurídicas).

Primeira Emenda

Em sua argumentação, Wong recorre basicamente aos princípios básicos da Primeira Emenda da Constituição americana (que dizem respeito à liberdade de expressão e à liberdade de imprensa), mas ele pode estar cometendo um erro.

Em artigo para a Forbes, a escritora Sarah Jeong – que normalmente aborda assuntos de fluxo livre da informação – diz que a Primeira Emenda não se aplicaria ao Reddit. Ela citou como exemplo o caso da LICRA (Liga Internacional Contra o Racismo e o Antissemitismo), que em 2000 abriu uma queixa contra o Yahoo! para impedir o site de publicar leilões de artefatos nazistas. O Yahoo! apelou então para a Primeira Emenda para se defender. Sarah diz que, em qualquer um dos casos citados, recorrer à Declaração Universal dos Direitos Humanos na internet cheira a uma espécie de imperialismo.

Ela diz que a solução ideal para o Reddit seria tentar criar uma cultura de liberdade de expressão que valorizasse a cidadania online em vez de recorrer à simples apropriação indébita dos “princípios da Primeira Emenda” para “proteger os piores tipos de comportamento”.

Mas ela mesma crê que isto seria otimista demais e que está longe de ser a opção à mão. “A internet veio apenas para refletir toda a feiura e todos os desequilíbrios de poder do mundo real, sem nenhuma das proteções ou mesmo as mais fracas garantias democráticas”, declarou.

Investidores x Polêmicas

O Reddit é, em grande parte, de propriedade da Advance Publications, empresa-mãe da Conde Nast, que comprou o site em 2006 e o transformou num subproduto em 2012. Os boatos de busca de financiamento dão conta de que a página poderia chegar a valer, com a ajuda de investidores, mais de meio bilhão de dólares. Mas será que a permissividade do Reddit não criará impasses com investidores em potencial?

Aparentemente, os executivos do site não se preocupam muito com a questão e preferem se agarrar à “liberdade de expressão”. Um exemplo disso é que seu cofundador, Alexis Ohanian, foi um dos investidores no Secret – aplicativo voltado à publicação anônima de segredos pessoais, que chegou a ser temporariamente proibido no Brasil devido ao excesso de publicação de mensagens difamatórias sobre terceiros.