Receba no seu e-mail

Voltar

Clipping

10/05/2016 às 17:05

Telebras assume Banda Larga nas Escolas

Escrito por: Luís Osvaldo Grossmann
Fonte: Instituto Telecom

maio 9, 2016 by iTelecom
Como já vinha sinalizando, a Telebras vai assumir a tarefa de levar conexões a internet às escolas públicas do país. Na prática, fica com a tarefa que até aqui era das grandes operadoras privadas, mas que na grande maioria das instituições não entregaram conexões com mais de 1 Mbps ou 2 Mbps.
 
Em recursos, é de longe a principal missão do novo plano nacional de banda larga, ou Brasil Inteligente, como foi batizado. O orçamento inicial, já para 2016, é de R$ 350 milhões. Mas a costura no governo promete mais R$ 1,5 bilhão em recursos do Ministério da Educação – em parcelas de R$ 400 milhões, R$ 500 milhões e R$ 600 milhões ao longo dos três próximos anos.
 
O valor total, no entanto, pode ficar maior. Paralelamente há o objetivo de que o Tesouro Nacional faça aportes do mesmo tamanho do MEC, o que injetaria outro bilhão e meio na Telebras. Mas essa parte da conta ficou fora do anúncio do novo programa, nesta segunda, 9/5. E no fundo há dúvidas de que isso sobreviva caso confirme-se o afastamento da presidenta Dilma Rousseff.
 
“Vamos substituir as redes ADLS que hoje atendem as escolas por fibras ópticas. A ideia é criar uma grande plataforma nacional de alta velocidade, com pelo menos a media de 78 Mbps. Hoje, 90% das escolas são conectadas a 1 ou 2 Mbps, o que é nada para uma escola com milhares de alunos. E mais do que isso, vamos avançar nos conteúdos digitais”, diz o presidente da Telebras, Jorge Bittar.
 
Além das fibras chegando às escolas e dos acessos WiFi, o projeto prevê a implantação de redes de distribuição de conteúdos (CDNs, na sigla em inglês) para que as escolas acessem a material pedagógico digital. A primeira etapa do projeto prevê o atendimento a 30 mil escolas, com 20 milhões de alunos, até 2019. Se efetivamente houver o aporte suplementar pelo Tesouro, esse número aumento.
 
O secretário executivo do MEC, Luiz Claudio Costa, explica que já foram identificadas 26 mil escolas mais necessitadas. “Elas representam 70% da nossa grande deficiência de alfabetização nos anos iniciais, por isso essas escolas foram priorizadas”, explicou. Paralelamente, a internet de alta velocidade pode endereçar outra dificuldade, que é a formação dos professores.
 
“Temos 2 milhões de professores e um grande percentual não é formado. Por exemplo, 75% dos professores de Física não são formados em Física. Nisso entra a Universidade Aberta, porque esses professores não vão fazer cursos presenciais, mas à distancia. Então poderão fazer isso em suas escolas, em suas cidades”, disse Costa.