Receba no seu e-mail

Voltar

Clipping

27/05/2015 às 16:24

UIT: No Brasil, velocidade de acesso à Internet ainda varia entre 256 K e 2Mbits

Escrito por: Ana Paula Lobo
Fonte: Convergência Digital

É nos países desenvolvidos, aponta ainda a UIT, que o abismo digital aparece com toda a força

Até o final deste ano, sete bilhões de celulares vão estar ativos no mundo, revela a União Internacional das Telecomunicações. A população ativa prevista para o mundo em dezembro é de 7,2 bilhões. O levantamento da entidade, divulgado nesta terça-feira, 26/05, mostra ainda que o mundo chegou a 3,2 bilhões de pessoas conectadas à Internet, mas ainda há 4 bilhões sem qualquer tipo de acesso à Rede Mundial. 
 
O levantamento da UIT mostra que, há 15 anos, os usuários de internet eram apenas 400 milhões. Ainda em 2000, os internautas respondiam por 6,5% da população mundial. Em 2015, esse índice subiu para 43%, com a soma de acessos fixos e móveis. A proporção de lares com conexão à Internet atingiu 46% em 2015. Essa porcentagem, mostra o estudo da UIT, é maior na Europa (82,1%) e menor na África (10,7%). 
 
É nos países desenvolvidos, aponta ainda a UIT, que o abismo digital aparece com toda a força: isso porque nesses países, apenas 89 milhões de pessoas possuem conexão de um total de 940 milhões. Os celulares cresceram e apareceram. Em 2000, eram 738 milhões. Até o final de 2015 serão mais de 7 bilhões de conexões móveis ativas. 
 
Mas do ponto de vista de acesso à Internet, a maior parte ainda atingida pelas redes 2G - que cobrem, hoje, 95% da população. Lembrando que o 2G permite velocidades muito baixas de acesso à Internet. O 3G cobre 69% da população, mas com presença muito pequena nas áreas rurais.
 
O desempenho do Brasil no acesso à Internet ainda é bem distante dos países mais desenvolvidos. O país aparece com velocidade entre 256Kbps e 2Mbits. As conexões acima de 10 Mbits são referência mínima no levantamento da UIT. Pelo estudo, inclusive, o Brasil só fica à frente da Colômbia, Venezuela e Bolívia na América latina. Clique aqui e acesse o estudo da UIT em inglês.
 
*Fonte: Com dados da UIT