Receba no seu e-mail

Voltar

Clipping

02/06/2017 às 20:41

Whatsapp: Sistema foi desenvolvido para impedir acesso aos dados

Escrito por: Luís Osvaldo Grossmann
Fonte: Convergência Digital

Ao defender o aplicativo junto ao Supremo Tribunal Federal, o fundador do Whatsapp, Brian Acton, sustentou nessa sexta, 2/6, que a criptografia é parte fundamental do app de mensagens e que não é possível desativá-la para alvos específicos, como exigem a polícia e o Ministério Público no Brasil. 
 
“O Tribunal pergunta se é possível desativar a criptografia. A resposta é não. O Whatsapp foi construído de forma que só pode enviar mensagens por criptografia. Portanto não há como desabilitar a criptografia para um usuário especifico. Se houver essa mudança, ele não será capaz de enviar ou receber qualquer mensagem”, afirmou Acton ao participar da audiência pública que o STF promoveu sobre o tema. 
 
Como explicou, “as chaves criptográficas mudam a cada mensagem. Isso evita que uma terceira parte, incluindo o Whatsapp, obtenha informações que permitam a leitura da mensagem. Porque apenas os telefones dos usuários têm a informação correta para retirar a criptografia de suas mensagens. Não é possível interceptar, não de forma legível, com seu sistema atual, porque não tem acesso às chaves privadas dos usuários”. 
 
Ainda segundo ele, as demandas das autoridades, ecoadas em decisões judiciais que acabaram determinando o bloqueio do aplicativo já por três vezes no Brasil, também não seriam factíveis, como no pleito do MPF para que o Whatsapp use chaves criptográficas duplicadas para permitir que terceiros acompanhem as trocas de mensagens. 
 
“Se o Whatsapp substituísse as verdadeiras chaves com chaves falsas, o processo de verificação do código de segurança falharia e usuário saberia que algo aconteceu, que foi alterada a identificação. Se modificássemos os servidores para interferir no sistema, para ataques tipo ‘homem do meio’, seria também detectável pela verificação de código de segurança. Além disso, as mudanças que inutilizam a tecnologia seriam detectadas rapidamente. Analistas descobririam e divulgariam qualquer vulnerabilidade”, disse o fundador do app.  
 
Além disso, afirmou que tampouco é viável grampear as conversas. “No nosso sistema não é possível ‘espelhar’ contas para outros dispositivos, smartphones, tablets, ou computadores. Nem mesmo pelo Whatsapp web, que é uma extensão do Whatsapp e não é possível usar sem uma conta conectada a smartphone.”
 
Segundo Acton, enfraquecer a criptografia criaria brechas que não seriam usadas somente pela polícia. “Ou é seguro para todo mundo, ou não é para ninguém.”