Receba no seu e-mail

Voltar

Clipping

15/02/2016 às 14:50

Wikipédia, 15 anos

Escrito por: Felipe Marra Mendonça
Fonte: Carta Capital

A maior enciclopédia online tem 906 mil artigos em português e segue em mutação

A Wikipédia fez 15 anos em janeiro, um aniversário importante. Hoje uma enciclopédia online definitiva, ela é produto direto do crescimento da internet ao redor do mundo. Todos os seus artigos são escritos com links que levam a outros sites como prova factual do que está escrito, deixando para trás completamente outras mídias como ponto de referência.
 
Talvez o maior legado da criação de Jimmy Wales e Larry Sanger, além das informações que presta para qualquer um que queira fazer uma pesquisa nos seus artigos, seja a liberdade de edição encampada por seus criadores. Qualquer usuário do site pode se registrar e começar a editar artigos, embora alguns textos sejam protegidos para evitar vandalismo. O interessante é que os artigos ruins tendem a atrair editores melhores, que por sua vez melhoram o conteúdo do site. 
 
A edição em português do site é a 13ª maior entre todas as línguas disponíveis, com cerca de 906 mil artigos e perto de 85% dos artigos são editados a partir do Brasil. Em geral, a maioria dos editores é de homens, o que limita a criação de artigos de interesse feminino. Além disso, a comunidade de editores tem envelhecido e também se tornado mais fechada, impedindo uma variação na “voz” e nos “interesses” da enciclopédia. 
 
O ranking de artigos mais acessados torna-se um reflexo do que acontece no mundo, onde a cultura das celebridades parece permear todas as mídias. Entre os dias 9 e 16 de janeiro, as páginas mais lidas por usuários continham informações sobre David Bowie e Alan Rickman, além da mulher de David Bowie, Iman, e seu filho, Duncan Jones. Além disso, continuava forte o interesse pelo último capítulo da saga Guerra nas Estrelas, O Despertar da Força.
 
Por fim, fica claro que a Wikipédia substituiu por completo seus pares impressos, principalmente a Encyclopedia Britannica. “O nosso objetivo é mesmo a qualidade da Britannica ou até melhor, é lá que queremos chegar. Mas, claro, dado o nosso modelo aberto de edição, vamos sempre ter algum ruído interno, alguns problemas aqui e ali, mas é assim que trabalhamos. Mas, acima de tudo, queremos ser completos e confiáveis”, disse Wales, cofundador. Que os próximos 15 anos sejam mesmo assim.