Receba no seu e-mail

Voltar

E-Fórum / Notícias

10/08/2016 às 16:45

Entidades podem indicar nomes ao Conselho Curador da EBC até 20/8

Escrito por: Barão de Itararé
Fonte: Barão de Itararé

Das cinco vagas, pelo menos quatro serão destinadas a mulheres, três a negros(as) ou indígenas e uma vaga a um(a) jovem entre 15 e 29 anos. A diversidade regional também será considerada.

As entidades da sociedade civil interessadas em indicar candidatos as cinco vagas do Conselho Curador da Empresa Brasil de Comunicação (EBC) têm até o dia 20 de agosto para garantir inscrição no processo e enviar os documentos. Além do cronograma completo, o Conselho Curador também publicou, em seu site, um FAQ sanando todas as dúvidas sobre o processo.
 
O edital (confira aqui) prioriza pessoas com atuação em áreas como infância e adolescência; cultura e universo artístico; campo LGBTT (lésbicas, gays, bissexuais, travestis e transexuais); setor empresarial; e área ambiental ou do campo. Das cinco vagas, pelo menos quatro serão destinadas a mulheres, três a negros(as) ou indígenas e uma vaga a um ou uma jovem entre 15 e 29 anos. A diversidade regional também será considerada. "Todo espaço de participação social, no qual os cidadãos e a sociedade civil pode participar e opinar, fortalece a democracia e promove a diversidade e pluralidade de pensamento existente no país”, opina a conselheira Rosane Bertotti. “A comunicação pública, para ser forte, precisa ter essa representatividade”. 
 
Os critérios determinados no edital, segundo Bertotti, tem esse objetivo. “A ideia é fortalecer a comunicação pública para que ela faça uma comunicação diferente da comunicação privada. Quanto mais plural e diverso for o Conselho Curador da EBC, maior pluralidade também será garantida para a comunicação pública”.
 
Ex-coordenadora do Fórum Nacional pela Democratização da Comunicação e com atuação no movimento sindical, Bertotti explica que o Conselho Curador da EBC define linhas e diretrizes a seguir, além de aprovar e acompanhar o plano de trabalho da Empresa. “O Conselho não define ou executa os programas, mas determina a necessidade de se refletir questões de gênero ou de raça, por exemplo. Por isso, a participação no processo de indicação ao Conselho enriquece a democracia”.