Receba no seu e-mail

Voltar

E-Fórum / Notícias

14/04/2015 às 15:23

FNDC repudia cerceamento à liberdade de expressão

Escrito por: Redação

Três ativistas foram detidos hoje pela polícia legislativa da Câmara dos Deputados por protesto pacífico e silencioso contra o monopólio midiático

O Fórum Nacional pela Democratização da Comunicação (FNDC) repudia a ação da polícia legislativa na manhã dessa terça-feira (14/4), no plenário da Câmara dos Deputados, em Brasília. Três ativistas foram detidos ao tentar abrir uma faixa que dizia que a Rede Globo apoiou a ditadura, em sessão solene em homenagem aos 50 anos da emissora. Lucas Rezende, Esther Othoni e o secretário executivo do Fórum Nacional pela Democratização da Comunicação (FNDC), Pedro Rafael Vilela, foram detidos e depois expulsos da Câmara após o fim da sessão.
 
É um verdadeiro atentado à democracia que um protesto pacífico e silencioso seja impedido de se realizar num espaço que deveria justamente ouvir os anseios e reivindicações da população. Além de não ter permitido a abertura da faixa, numa evidente violação do direito constitucional à liberdade de expressão, o espaço já havia sido fechado para não convidados, diferente do que costuma acontecer em sessões solenes. Estudantes que não tinham convite foram retirados do plenário por seguranças, e as galerias também estavam fechadas.
 
O caso mostra a força do poder midiático, sua forte relação com o poder político e o quanto isso é prejudicial para a democracia brasileira. A defesa da liberdade de expressão, alegada pela Rede Globo quando são reivindicadas mudanças na legislação do país sobre a comunicação, só vale para um lado. É por isso que reiteramos a urgência do debate público sobre a regulação da mídia em nosso país e exigimos que os Poderes Legislativo e Executivo façam a sua parte para garantir a democratização da comunicação. Só assim a liberdade de expressão poderá ser efetivada como um direito de todos os brasileiros e brasileiras, e não apenas daqueles que controlam os meios de comunicação de massa no país. 
 
Brasília, 14 de abril de 2015.